Impacto do Rodoanel sobre a população afetada e de entorno

Apesar de todos os compromissos assumidos em documentos oficiais, graves falhas estão ocorrendo na execução do Rodoanel também no que se refere à relocação da população afetada

O impacto sobre as pessoas que vivem ao longo do traçado e em seu entorno é avassalador. Na execução do trecho Oeste, estudos preliminares falam de 2.000 desapropriações com a remoção pessoas. Mas existem denúncias aos organismos de direitos humanos de que mais de 100.000 cidadãos estão sendo impactados pela execução da obra que afeta não só a população desalojada como também a que permanece no local.

Alpes de Caieiras: no trajeto do  Rodoanel

Aprendendo com o passado

O Poder Público vem se empenhando em negociações para conseguir empréstimos junto ao BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), que submete a concessão de empréstimos a rígidos critérios e bloqueia imediatamente as negociações se qualquer irregularidade for detectada. Foi o que aconteceu na época em que a administração municipal de São Paulo tentou construir uma Avenida de Vale de Fundo do Córrego do Tremembé. Para isso queria canalizar córregos e implantar rodovias em bacias de drenagem. Neste processo, o direito da comunidade em programas de relocação estava sendo desrespeitado segundo constatou a Comissão de Investigação do BID após apelo da própria comunidade. A notícia saiu no Jornal do Brasil/1989, em matéria intitulada "BID só dará financiamento com aval de ambientalistas". As obras irregulares foram embargadas e seus recursos bloqueados. A Avenida de Fundo de Vale do Córrego do Tremembé também iria expor a vertente sul das encostas da Cantareira ao risco de ocupação incontrolável. A ocupação nessa área já é preocupante e irá se agravar de modo dramático se implantada a proposta original de traçado do Trecho Norte - a "alternativa interna" ou "Norte inferior" - apesar dos túneis cortando e perfurando as encostas da Serra.

 

Vertente sul das encostas da Cantareira
 

Improbidade administrativa e violação de direitos

Ainda em relação ao trecho Oeste: a Promotoria da Justiça do Meio Ambiente do Ministério Público do Estado de São Paulo investiga as ações e obras realizadas pelo CDHU, onde estaria ocorrendo improbidade administrativa, manipulação de verbas por parte dos dirigentes, o que resultou, nesta fase, no afastamento do Titular do CDHU, sendo que ao menos um caso se relaciona a construções do CDHU em Carapicuiba, município onde se desenvolve o traçado do Rodoanel - Trecho Oeste. Além disso, este caso se encontra internacionalizado a partir da Representação assinada pelo Presidente do Sindicato dos Advogados de São Paulo, Sr. Ricardo Gebrin, à Comissão Internacional de Direitos Humanos, organização da OEA (Organização dos Estados Americanos), com sede em Washington, denunciando flagrante violação do direito à vida, à propriedade privada, à circulação e residência e direito da população em participar do Governo. O BID, por sua vez, afastou-se das negociações.