Relatório de Impacto Ambiental/Ampliações do Aeroporto Internacional de SP/Guarulhos

X. BIBLIOGRAFIA

CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

AEROSERVICE Consultoria e Engenharia de Projetos S/C Ltda. 2000. Implantação da Terceira Pista de Pouso e Decolagem. Estudo de Relocação do Canal de Desvio do RioBaquirivu-Guaçu.

COOPE. 2001. Plano de Ação para Redução de Emissão de Poluentes Atmodféricos em Aeroportos.

DAC/IAC – Instituto de Aviação Civil. 1996. Diagnóstico da área TMA-SP

ENGEVIX . 2003. Plano de Desenvolvimento do Aeroporto Internacional de São Paulo.

EPUSP - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Departamento de Engenharia de Transportes, laboratório de Planejamento e Operação de transportes. (2001). Estudo de Demanda, Capacidade, Acessibilidade e Auditoria Ambiental dos Aeroportos de Congonhas, Guarulhos e Viracopos.

FIGUEIREDO FERRAZ Consultoria e Engenharia de Projeto. 2003. Projeto do Terminal de Passageiros 3 do Aeroporto Internacional de São Paulo

HUPALO, Maurício Ferreira. 2003. Análise da Área de Controle Terminal São Paulo (TMASP) por meio de Simulação (Fast Time Simulation). Dissertação de Mestrado para obtenção do título de Mestre em Ciência na Área de Transporte Aéreo e Aeroportos concedido pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica.

IESA Internacional de Engenharia. 1981. Plano Diretor do Aeroporto Internacional de São Paulo.

MEIO BIÓTICO

BAITELLO, J.B.F. & AGUIAR, O.T. 1982. Flora arbórea da Serra da Cantareira (São Paulo). Anais do Congresso Nacional sobre Essências Nativas. Silvicultura em São Paulo. 16(1): 582-590.

BAITELLO, J.B.; AGUIAR, O.T.; ROCHA, F.T.; PASTORE, J.A. & ESTEVES, R. 1993. Estrutura fitossociológica da vegetação arbórea da Serra da Cantareira. Rev. Inst. Flor. 5(2): 133-161.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. 1983. Folhas SF 23/24. Rio de Janeiro/Vitória;Geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro. Projeto RADAMBRASIL. 780P.

CETESB. São Paulo. 2001. Relatório de qualidade das águas interiores do Estado de SãoPaulo. São Paulo. CETESB. Série Relatórios/Secretaria do Meio Ambiente. ISSN 0103 – 4103. 214 p.

GANDOLFI, S. 1991. Estudo florístico e fitossociológico de uma floresta residual na área doAeroporto Internacional de São Paulo, Município de Guarulhos, SP. Campinas. Instituto de Biologia. Universidade estadual de Campinas. (Dissertação de Mestrado).

FIGUEIREDO, L. F. A. & Lo, V. K. 2000. Lista das Aves do Município de São Paulo. Bol CEO: 14: 15-35.

GRAHAN, D. J. 1991. The avifauna and the vegetation structure of a mature araucaria plantation in São Paulo, Brazil. Série Registros – Instituto Florestal. 6: 1-79.

GRAHAN, D. J. 1992. The avifauna of the Serra da Cantareira, São Paulo, Brazil: a preliminary survey. Série Registros – Instituto Florestal. 10: 1-56.

IBGE. 1992. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Rio de Janeiro. Série Manuais Técnicos em Geociências. N° 1. 92 p.

IBGE. 1993. Mapa de Vegetação do Brasil. Escala 1:5.000.000.

INSTITUTO FLORESTAL. 1993. Inventário Florestal do Estado de São Paulo. São Paulo.Instituto Florestal. Escala 1;250.000. 199p.

IPT. 1981. Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo. São Paulo. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Série Monografias. n° 5. 2v.

LAURANCE, W. F. & YENSEN, E., 1991. Predicting the impacts of edge effects in fragmented habitats. Biological Conservation 55: 77-92.

LIMA - Laboratório Interdicisplinar de Meio Ambiente. 2003. Aves como fator de risco para a aviação nas proximidades de aeroportos no Brasil: desenvolvimento de uma metodologia para avaliação e busca de soluções. Relatório Técnico. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

MAZZEI, K. 1999. Manejo de unidades de conservação em áreas urbanas. Parque Estadual

da Cantareira: discussão para incorporação de novas áreas. Tese de Mestrado.

Departamento de Geografia- Universidade de São Paulo. São Paulo.

PINTO, O. M. O. 1945. Cinqüenta anos de investigação ornitológica. Arquivos de Zoologia 4:265-340.

NEGREIROS, O.C.; CARVALHO, C.T. & CESAR, S.F. 1974. Plano de manejo para o Parque Estadual da Cantareira. Bol. Téc. I.F. São Paulo. 10 : 1-58.

RIZZINI, C.T. 1963. Nota prévia sobre a divisão fitogeográfica do Brasil. Revista Brasileira de Geografia. n° 1. 64p.

SÃO PAULO (ESTADO). 1989. Secretaria do Meio Ambiente. Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais. Mapeamento de Vegetação Natural do Estado de São Paulo. Escala 1:50.000. 1989. Secretaria do Meio Ambiente. Coordenadoria da Pesquisa de Recursos Naturais.

Áreas Naturais sob Proteção no Estado de São Paulo. São Paulo. SMA. Série Cartográfica. 1998. Secretaria do Meio Ambiente. Atlas das Unidades de Conservação do Estado de São Paulo, parte II – interior. São Paulo, Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. 30p.

1998. Fauna Ameaçada do Estado de São Paulo. Secretaria do Meio Ambiente. Série PROBIO/SP. São Paulo.

SICK, H. 1997. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro, Ed. Nova Fronteira. 912p.

STOTZ, D.; Fitzpatrick, J. W.; Parker III, T. A. & Moskovits, D. K. 1996. Neotropical birds: ecology and conservation. Chicago, University of Chicago Press. 478 p.

MEIO FÍSICO

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ – CBHAT. 1999. Relatório de Situação dos Recursos Hídricos da UGRHI 06–R0.

2001. Plano Diretor da Bacia do Alto Tietê – Relatório Final – FUSP

COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL – CETESB. Relatório de Qualidade das Águas Interiores do Estado de São Paulo / 2000 –, 2001.

DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA – DAEE. Plano Diretor de Macrodrenagem da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê – Bacia Superior do Ribeirão dos Meninos – Diagnóstico Geral e Ações Recomendadas –– Relatório PDAT1-HI-RT-237. Plano Diretor de Macrodrenagem da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê – Bacia do Rio Pirajussara – Diagnóstico Geral e Ações Recomendadas – Relatório PDAT1-HI-RT-026. Plano Diretor de Macrodrenagem da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê – Bacia do RioAricanduva – Diagnóstico Geral e Ações Recomendadas. 2003.

DINIZ, H.N.; DUARTE, U. 1996. Caracterização Geológica e Hidrogeológica da BaciaHidrográfica do Rio Baquirivu-Guaçu na Região de Guarulhos, SP. Rev. Univ. Guarulhos, Série Geociências, I (3)-p.51.

DINIZ, H.N. 1996. Estudo do Potencial Hidrogeológico da Bacia Hidrográfica do Rio Baquirivu-Guaçu, Guarulhos e Arujá. Tese de Doutorado. USP (inédito).

EMPLASA. 1980. Carta Geológica da Região Metropolitana da Grande São Paulo (escala 1:100.000). São Paulo. 1986. Carta Geológica da Região Metropolitana de São Paulo (escala 1:50.000, Folhas Guarulhos e Itaquaquecetuba. São Paulo.IPT. 1981. Mapa Geológico do Estado de São Paulo (escala 1:500.000). SICCT/IPT-Publ. IPT no 1184, São Paulo. 1981. Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo (escala 1:1.000.000). IPT/SICCTPubl. IPT no 1183, São Paulo. 1994. Carta Geotécnica do Estado de São Paulo (escala 1:500.000). Publ. IPT no 2089, São Paulo.

SAAE/Tecnion. 1997. Levantamentos Geofísicos pelo Método Magnetotelúrico (“StratagemTM Electrical Conductivity Imaging System Model EH-4”) para Identificação de Aqüíferos e Locação de Poços Tubulares Profundos em Áreas do Município de Guarulhos. Rel Tecnion s/n. São Paulo.

SICCT/EMPLASA/IPT. 1984. Carta de Aptidão Física ao Assentamento Urbano (escala 1:50.000), Folhas Guarulhos e Itaquaquecetuba. São Paulo.

USP/IPT/FAPESP (1997). Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo (escala 1:500.000). São Paulo.

MEIO SÓCIO ECONÔMICO

ARAUJO, Maria de Fátima Infante. 2001. Reestruturação produtiva e transformações  econômicas - Região Metropolitana de São Paulo. São Paulo em Perspectiva, Volume15/no1/jan-mar 2001. São Paulo.

BRUNO, Ernani Silva. 1991. História e Tradições da Cidade de São Paulo. São Paulo, HUCITEC

CHARTKOFF, J. L. 1978. Transect Interval Sampling in Forests. “American Antiquity”, 43(1): 46-53.

DA SILVA, Vera Martins – Os Municípios Paulistas e o Federalismo Fiscal Brasileiro. São Paulo: IMESP; CEPAM, 1995.

ESCHWEGE, W. L. Von. 1979. Pluto Brasiliensis. Belo Horizonte/Itatiaia, São Paulo/EDUSP.

FEDER, K. L. 1997 “Site Survey”. In: T. R. HESTER, H. J. SHAFER & K. L. FEDER, Field Methods in Archaeology. Mountain View, CA, Mayfield Publishing Co.

FIBGE – Censos Demográficos. 1970, 1980, 1991, 2000.

FUNDAÇÃO SEADE. Perfil Municipal

IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Fundação João Pinheiro (MG) e o  Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2003. Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Brasil.

JULIANI, C.; P. Beljavskis; L.J.C.O. JULIANI & G.M. GARDA. 1995. As mineralizações de ouro de Guarulhos e os métodos de sua lavra no período colonial. Geologia: ciência e técnica, 13: 8-25.

KING, Thomas. 2000. It’s an Adverse Effect to Destroy an Archaeological Site. SAA Bulletin, 1 (January); 3 (March).

KNECHT, Theodoro .1950. Ocorrências Minerais do Estado de São Paulo. São Paulo, Instituto Geográfico e Geológico/Secretaria da Agricultura.

MACHADO, Alcântara. 1980. Vida e Morte do Bandeirante. Belo Horizonte/Itatiaia, São Paulo/EDUSP.

MAFFEI, L. A. & NOGUEIRA, A. R. 1966. O Ouro na Capitania de São Vicente nos séculos  XVI e XVII. São Paulo, Anais do Museu Paulista, XX

MAWE, John. 1978. “Viagens ao Interior do Brasil”. Belo Horizonte/Itatiaia, SãoPaulo/EDUSP.

METRÔ – Companhia do Metropolitano de São Paulo, 1997. Pesquisa OD.

MONTEIRO, John M. 1984. Vida e morte do índio: São Paulo colonial. In: Índios no Estado de São Paulo: Resistência e Transfiguração. São Paulo, Yankatu/ Comissão Pró-Índio. 1994. Negros da Terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo, Cia. das Letras.

MORAIS, Rubens Borba de. 1945. Contribuições para o História do Povoamento em São Paulo até Fins do Século XVIII. Boletim Geográfico, III (30): 821-829.

MORSE, Richard M. 1970. Formação Histórica de São Paulo. São Paulo, DIFEL.

R. AMARAL & Associados, 1999. Diagnóstico Sócio – Econômico do Município de Guarulhos

PRADO Jr., Caio. 1989. A cidade de São Paulo - Geografia e História. São Paulo, Brasiliense.

RIBEIRO, J. C. Gomes. 1911. Os indígenas primitivos de S. Paulo. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, ano de 1908, v. 13: 183-195.

SAMPAIO, Theodoro. 1978. A propósito dos Guayanazes da Capitania de S. Vicente. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, 1908, 13: 199-202. Os Guaianás da Capital de S. Vicente. In: São Paulo no Século XIX e outros ciclos históricos. Petrópolis/Vozes, São Paulo/Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia, pp. 201-217.

SANTOS, Rubens Rodrigues dos. 1985. Aeroportos: do Campo de Aviação à Área Terminal. São Paulo: Contar.

URBANIZA Engenharia Ltda. 2002. Diagnóstico e Esboço do Plano de Reassentamento.

VÉRAS, Maura Pardini Bicudo. 2001.Tempo e espaço na Metrópole, breves reflexões sobre  assincronias urbanas. São Paulo em Perspectiva, Volume 15. São Paulo. Outubro 2001.

JURÍDICO-INSTITUCIONAL

ACKEL, D. 1991. Município e Prática Municipal, Forense.

CALASANS, TJ; Anjos, EFS; Teixeira, HR. 2002. 6º Congresso Internacional de Direito Ambiental (no prelo) – A Lei da Política Nacional de Recursos Hídricos: Instrumento de Implementação dos Princípios Referentes ao Desenvolvimento Sustentável”

MACHADO, P.A.L. 1989. Direito Ambiental Brasileiro, Editora Revista dos Tribunais - São Paulo.

MEIRELLES, H. 1991. Direito Administrativo Brasileiro, Editora Revista dos Tribunais - São Paulo.

MILARÉ, E. 1991 - Legislação Ambiental do Brasil - Editora APMP, São Paulo.

OLIVEIRA, H.A. 1990. Da Responsabilidade do Estado por Danos Ambientais - Editora Forense.

PETRONE, Pasquale. 1995. Aldeamentos Paulistas. São Paulo, EDUSP.

PIETRO, M.S.Z.Di. 1991 . Direito Administrativo, Editora Atlas.

PINTO, A. A. (1903). História da Viação Pública de São Paulo. São Paulo.

SANCHEZ, L. E. 1992. Os papéis da Avaliação de Impacto Ambiental. Revista de Direito Ambiental - Editora Revista dos Tribunais.

VENTURI E RAMBELLI. 1996. Legislação Federal Sobre o Meio Ambiente - Editora Vana Ltda.

 Retornar ao Índice do RIMA