Relatório de Impacto Ambiental/Ampliações do Aeroporto Internacional de SP/Guarulhos
em vermelho, grifos nossos - Jornal da Serra da Cantareira

VII. CENÁRIOS PROSPECTIVOS

1. SÍNTESE DA EVOLUÇÃO RECENTE E TENDÊNCIAS

A localização privilegiada do Município de Guarulhos sempre foi um fator de atratividade. Atravessado pelas rodovias Presidente Dutra e Fernão Dias, com acesso aos portos de Santos e Rio de Janeiro, às regiões do Vale do Paraíba e de Campinas e aos três principais mercados consumidores, São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, teve acrescentado o Aeroporto Internacional de São Paulo e a Rodovia Ayrton Senna. 

Até 1980, quando os efeitos da implantação da Rodovia Presidente Dutra e da integração de Guarulhos à Região Metropolitana de São Paulo, este município apresenta um parque industrial desenvolvido, ocupando mais de 90 mil trabalhadores, contribuindo pouco com atividades de comércio e serviços no âmbito metropolitano. A partir de então, a RMSP tem vivido uma sucessão de crises e de tentativas de retomada econômica, que tiveram um balanço negativo, apresentando um crescimento médio reduzido, beirando a estagnação, e a perda de mais de meio milhão de empregos industriais.

A desconcentração industrial, que anteriormente atingira com profundidade apenas o Município de São Paulo, alcançou o conjunto dos municípios mais industrializados da RMSP, aprofundando-se também o processo de terciarização da economia metropolitana. O Município de Guarulhos esteve integrado neste processo, porém com algumas particularidades, destacando-se entre elas a implantação de um grande equipamento metropolitano, o Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos.

No âmbito do movimento de terciarização em curso, apresenta relevância econômica a expansão dos setores de comercio e serviços, especialmente, de segmentos mais modernos, localizados no Centro, no Aeroporto Internacional de São Paulo e no Internacional Shopping. O Aeroporto Internacional, conta com 370 empresas que empregam cerca de 28 mil pessoas.

A implantação do Aeroporto Internacional de São Paulo, além das atividades voltadas ao atendimento direto ao fluxo de passageiros e respectivos serviços de apoio, também propiciou o surgimento de inúmeras atividades, com destaque para aquelas voltadas para a logística: escolas de aviação; estabelecimentos de armazenamento, carga, descarga e logística, dedicados a serviços aeroportuários como companhias aéreas, fornecimento de refeições, limpeza, despacho aduaneiro; transporte, coleta e remessa de bens; hotéis, de padrão internacional; além do setor financeiro que também apresentou crescimento acentuado.

Nesse contexto, entre 1991 e 2002, foram registrados 15.297 novos empreendimentos do ramo dos serviços, tendo atingido o montante e 43.534 empresas. Os novos estabelecimentos comerciais somam 2.461 empresas, totalizando 10.649. Em conjunto, são cerca de 50 mil empresas. Entre os serviços, o maior crescimento proporcional ocorreu no ramo de turismo, hospedagem e afins. O maior incremento em termos absolutos ocorreu no ramo de transporte e atividades afins, com a implantação de mais de cinco mil novos empreendimentos.

Desce a década de 1950, a evolução das aeronaves exige, cada vez mais, a transformação dos aeroportos, especialmente com a entrada em operação das aeronaves de grande porte, que amplia a capacidade de transporte aéreo e passa a operar com característicasde transporte de massa.

A evolução das aeronaves traz a necessidade de construção de grandes aeroportos, implantados com recursos do Governo Federal e administrados pelo Departamento de Aviação Civil – DAC do Ministério da Aeronáutica até 1973, quando é criada a INFRAERO que assume a administração dos principais aeroportos brasileiros.

O Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos, inicialmente programado para atender os vôos domésticos que utilizavam o aeroporto de Congonhas, os vôos internacionais relacionados ao Cone Sul e servir de alternativa ao Aeroporto de Campinas, dois anos após o início de sua operação, em 1985, alterou o panorama aeroportuário brasileiro, superando o Aeroporto do Rio de Janeiro/Galeão em movimento e receita, tornando-se o principal “hub” (ponto central) aéreo da América do Sul.

Atualmente, é o mais importante aeroporto do País, possuindo o maior número de passageiros transportados, ficando apenas atrás dos aeroportos de Congonhas, em movimento de aeronaves e de Viracopos, em movimentação de carga aérea. As ampliações pretendidas são parte integrante do Plano Diretor do Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos, elaborado em 1979, que previa a implantação de quatro terminais de passageiros e duas pistas paralelas dependentes, além de uma terceira pista situada ao norte dos terminais de passageiros.

Embora o movimento do Aeroporto tenha se apresentado crescente desde sua inauguração, o que o tornou o principal aeroporto do País, ocupando o segundo lugar na movimentação de passageiros; e o primeiro em movimento de carga, as previsões do Plano Diretor para 1998 não se realizaram. No sentido de obter previsões mais recentes foi elaborado o Estudo de Demanda e Capacidade pelo Laboratório de Planejamento e Operação de Transportes da Escola Politécnica da USP, tomando por base a análise do movimento de hora-pico de passageiros entre 1995 e 2000. Nesse estudo, foram realizadas previsões para cinco, dez, quinze e vinte anos, determinando os volumes a serem utilizados no planejamento do Aeroporto.

De acordo com esse estudo, a movimentação anual de passageiros dobrará em 5 anos, passando de 11 milhões para quase 22 milhões, chegando em 10 anos a 30 milhões de passageiros/ano. O acréscimo na movimentação de aeronaves será da ordem de 60% em 5 anos e 120% em 10 anos, acompanhado pela movimentação de carga e correio. 

Segundo as previsões de demanda, a capacidade dos Terminais TPS1 e TPS2 deverá estar esgotada por volta de 2005, quando será necessário o início da operação do TPS3. As áreas necessárias para o TPS3 foram calculadas considerando o total atual de passageiros na hora-pico e além da área dos Terminais TPS1 e TPS2 existentes.

A Simulação do Sistema de Pistas de Guarulhos mostra que a terceira pista será essencial para a operação adequada do Aeroporto com a utilização do TPS3. A capacidade atual do sistema de pistas permite atender o volume do Aeroporto, pelo estudo elaborado, até o horizonte de 2005, quando se torna necessária a operação da terceira pista, que eleva a capacidade desse sistema até o horizonte final estudado.

Considerando que o modo privilegiado com o qual a economia de Guarulhos se inseriu no processo de terciarização da metrópole está fortemente correlacionado à presença do Aeroporto de Guarulhos, no período 1985-2000, é de se supor que a ampliação das instalações e, em conseqüência, da capacidade de atendimento de passageiros irá ocasionar um aumento na arrecadação municipal, decorrente da ampliação das atividades de comércio e serviços.

Atualmente, trabalham no Aeroporto, entre funcionários da INFRAERO e terceirizados, 31.436 pessoas. Estima-se que com a duplicação do Aeroporto estes empregos possam dobrar de quantidade, chegando à cerca de 62 mil pessoas empregadas. Ressalta-se que aqui não foram considerados os empregos indiretos, associados aos estabelecimentos relacionados com atividades aeroportuárias, que se desenvolvem no Município de Guarulhos, fora das instalações do Aeroporto.

2. CENÁRIO SEM O EMPREENDIMENTO

Caso o Aeroporto não venha a ser ampliado, conforme apresentado no Capítulo I do presente estudo, a população do Estado de São Paulo será penalizada no atendimento de serviços de transporte aéreo e o Município de Guarulhos deixará de ser beneficiado pela geração de receita e empregos adicionais.

Considerando que, de acordo com os estudos da USP, a movimentação anual de passageiros dobrará em 5 anos e o acréscimo na movimentação de aeronaves, nesse período, será da ordem de 60%, acompanhado pela movimentação de carga e correio, no caso de não ocorrer a ampliação do Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos essa demanda deverá ser atendida por outra instalação aeroportuária. 

A hipótese de ampliação de Viracopos para absorver essa demanda é dificultada pela necessidade de implantação de um sistema de transporte sobre trilhos de alto custo. No entanto, caso essa hipótese venha a ser concretizada, o Município de Guarulhos será penalizado pela perda de arrecadação e de geração de empregos decorrentes da ampliação pretendida.

3. CENÁRIO COM O EMPREENDIMENTO

Com a ampliação do Aeroporto, conforme apresentado no Capítulo I do presente estudo, a população do Estado de São Paulo será atendida pela maior oferta de serviços de transporte aéreo e o Município de Guarulhos será beneficiado pela geração de receita e empregos adicionais.

A população afetada pelas desapropriações necessárias à implantação da 3ª Pista, num total de 4.856 famílias, deverá integrar um Programa de Indenização e Reassentamento de Famílias Afetadas que garanta sua proximidade à região onde reside atualmente, no sentido de sofrer o menor impacto possível com esse deslocamento. O aumento do fluxo de veículos deverá ser absorvido pela implantação de linha exclusiva de trem da CPTM para o Aeroporto, em fase de projeto.

Retornar ao Índice do RIMA ou avançar