JORNAL DA SERRA DA CANTAREIRA

 

 
       




 

 

 
 

 

 

Saúde


CAFÉ ajuda a evitar DENGUE


Pesquisa de cientista paulista atesta que a cafeína contida na borra do café bloqueia a postura eo desenvolvimento do Aedes aegypti

Café é uma arma contra o mosquito da dengue, mas ninguém divulga, já que as prefeituras arrecadam, todos os anos, uma polpuda verba extra por conta dos mosquitinhos.... Por que, então, acabar com ele?

Uma cientista paulista, a bióloga Alessandra Laranja, do Instituto de Biociências da UNESP (campus de São José do Rio Preto), durante a pesquisa da sua dissertação de mestrado, descobriu que a borra de café produz um efeito que bloqueia a postura e o desenvolvimento dos ovos do Aedes aegypti.

O processo é extremamente simples: o mosquito pode ser combatido colocando-se borra de café nos pratinhos de coleta de água dos vasos, no prato dos xaxins, dentro das folhas das bromélias, e a borra de café, que é produzida todos os dias em praticamente todas as casas, tem custo zero.

O único trabalho é o de colocá-la nas plantas. E podemos até jogá-la sobre o solo do jardim e quintal.

Os especialistas em saúde pública, entre eles médicos sanitaristas, estão saudando a descoberta de Alessandra, uma vez que, além da ameaça da Dengue 3, possível de acontecer devido às fortes enxurradas, surge outra ameaça, proveniente do exterior: a da Dengue tipo 4.

Conforme explica a bióloga, 500 microgramas de cafeína da borra de café por mililitro de água bloqueia o desenvolvimento da larva no segundo de seus quatro estágios e reduz o tempo de vida dos mosquitos adultos.

Em seu estudo, ela demonstrou que a cafeína da borra de café altera as enzimas esterases, responsáveis por processos fisiológicos fundamentais, como o metabolismo hormonal e da reprodução, podendo ser essa a causa dos efeitos verificados sobre a larva e o inseto adulto.

A solução com cafeína pode ser feita com duas colheres (de sopa) de borra de café para cada meio copo de água, o que facilita o uso pela população de baixa renda, e pode ser aplicada em pratos que ficam sob vasos com plantas, dentro de bromélias e sobre a terra dos vasos, jardins e hortas.

O mosquito se desenvolve até mesmo na película fina de água que, às vezes se forma sobre a terra endurecida dos jardins e hortas; também se desenvolve na água dos ralos e de outros recipientes com água parada (pneus, garrafas, latas, caixas d'água etc.).

"A borra não precisa ser diluída em água para ser usada", diz a bióloga. Pode ser colocada diretamente nos recipientes, já que a água que escorre depois de regar as plantas vai diluí-la.

Ou seja: ela recomenda que a borra de café passe a ser usada, também, como um adubo ecologicamente correto.

Hoje o método mais usado no combate ao Aedes aegypti é a aspersão dos inseticidas organofosforados, altamente tóxicos para homens, animais e plantas.

Vale lembrar que quem for picado pelo mosquito deve tomar muita sopa de inhame. Além de ser deliciosa, ainda ajuda a aumentar as plaquetas que vão se reduzindo com a dengue.

Luciana Rocha Antunes
Bióloga - especialista em Gestão Ambiental
Mestranda em Agroecologia e Desenvolvimento Rural
UFSCar e Embrapa Meio Ambiente
lurantunes@yahoo. com.br

postado por Carmen Righetto