JORNAL DA SERRA DA CANTAREIRA

 

 
       




 

 

 

 

 

Carta
Em visita a Assis, Itália
 
 

Aos queridos amigos que amam, protegem e defendem os Animais e aos que me ajudam a conduzir e a multiplicar o trabalho do Movimento Infanto-Juvenil Criando com Arte - MICA:

Estive em Assis (Itália) e, diante do túmulo de São Francisco, rezei muito pelos animais de nosso país e por todos os animais do mundo.
Tentei captar a grande energia daquele lugar e concentrei minhas orações para que o “animal homem”, que se julga o soberano absoluto sobre a vida no planeta, acalme sua ganância pelo dinheiro e pelo poder.
Pedi que esses seres animais da espécie humana, que pensam que não são animais, pois àqueles que eles classificam como animais não lhes atribuem as sensações de dor, fome, frio, medo e todos os sentimentos característicos à essência da vida, passem a olhar com mais humildade para a natureza e a reconhecer nela a verdadeira soberania da vida.
Também pedi ajuda para conduzir o trabalho do MICA, que, através dos voluntários, tem tornado mais feliz a vida de muitas crianças e adolescentes.
E, sendo você católico, seguidor de outra doutrina, ou não, também rezei muito por você. Pedi que nos dê força, coragem e determinação nessas missões, que foram escolhas nossas.
Pense apenas na energia do homem Francisco como um exemplo de bondade. Bondade dirigida não só às pessoas. Bondade dotada de amor com um conceito universal, aplicado a tudo o que lhe era perceptível à vista e ao coração.
O amor de Francisco teve um sentido profundamente universalista. Ninguém como ele irmanou-se tanto com todo o universo: foi irmão do sol, da água, das estrelas, das aves e de todos os animais. O "Cântico ao Sol", em que proclama seu amor a tudo o que existe, é uma das mais lindas páginas da poesia cristã.
Francisco não nasceu pobre, mas escolheu viver em extrema pobreza, vestia uma túnica, comia apenas o que plantava e, com amor e respeito tamanhos pelos animais, que chegava a desviar seu caminho para não pisar nas lesmas e nas formigas.
Francisco fundou uma ordem religiosa. Juntou muitas pessoas de bom coração para ajudar os que precisavam.
O amor de Francisco teve um sentido profundamente universalista. Ninguém como ele irmanou-se tanto com todo o universo: foi irmão do sol, da água, das estrelas, das aves e de todos os animais. O "Cântico ao Sol", em que proclama seu amor a tudo que existe, é uma das mais lindas páginas da poesia cristã.
Peço perdão pela comparação, pois estamos muito aquém da magnitude de renúncias de S. Francisco aos prazeres e confortos materiais. Mas, como ele, também tentamos juntar pessoas para praticar e ensinar o amor e a compaixão pela vida.
Visita a Assis em 26-05-2006
Maria José Soares

Em anexo, oração que peguei na Basílica em Assis - clique na foto